Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Os anos passam, as pessoas mudam e as cidades transformam-se...Digo eu...

29.05.12publicado por Gato Pardo

Hoje ao final da tarde (o chamado período "descanso do guerreiro") tive o prazer da companhia de uma amiga de longa data.

Cascais, esplanada, martini, boa companhia...

Surgiu uma questão inesperada.

- Olha lá, é impressão minha ou esta cidade mudou? - perguntou ela.

Puxei de um cigarro. Acendi-o e senti o alcatrão a fluir nos pulmões...

- Mudou? Para mim continuo a associar isto à música dos Delfins, o que não abona muito em favor da cidade mas enfim...

- Mas não achas que isto está diferente? - insistiu ela.

- Mas diferente como, porra? Continua a ser a Vilamoura da zona centro, resmas de estrangeiros por tudo quanto é sítio, mulheres siliconizadas ao extremo e super tios nos seus super carros com as suas super modelos ao lado que só andam com eles pelos seus super extractos bancários...

Cascais tem encanto.

Já lá comi nos melhores restaurantes, apanhei algumas das minhas maiores cadelas e vi alguns dos melhores nasceres do sol.

O que mudou então? Bem, na verdade talvez a minha forma de olhar para a cidade. A idade faz isto às pessoas. Molda a perspectiva que temos dos locais, das pessoas, do quotidiano.

Anos atrás talvez me perdesse por uma boa mariscada a ver o mar. Actualmente, tenho mais prazer em comer a mesma mariscada em Alcântara, em restaurantes que conheço como a palma da minha mão, onde entro na cozinha e cumprimento cada uma das senhoras que lá trabalham afincadamente. Onde as relações pessoais não são um mito mas sim uma realidade.

Dias atrás tive o prazer de retribuir a um amigo um almoço. Ele apenas me pediu uma coisa...

"Leva-me a um sítio onde possamos comer bem, beber melhor e falar alto e a bom som".

Bem dito, bem feito.

Levei-o a um dos meus tascos favoritos. Por inúmeras razões. Onde me tratam bem, serei sempre visita assídua. E atrás de mim há de vir um porradão de gente.

Orgulho-me das minhas raízes alentejanas. Gosto das coisas simples. Descomplicadas.

Gosto de chegar a um tasco e a primeira coisa que fazem é colocar-me um copo de tinto à frente e um pires de torresmos. Gosto, porra! Gosto que ouvir a cozinheira aos berros com o patrão. Comunicação é essencial. E gosto que sem me dar conta, esteja um jarro de tinto na mesa a olhar para mim em sinal de desafio.

Gosto de ouvir do outro lado da rua o som infernal do clube de strip tease a anunciar as meninas que vão passando pelo varão. É giro. Dá tempero à coisa.

Gosto de comida verdadeiramente caseira. Comida de conforto. Não gosto de comida apaneleirada que não sei se hei de comê-la ou se hei de emoldurá-la...Gosto de me sentir feliz.

Cascais já me fez feliz. Agora não. Poderão dizer os puritanos que eu não conheço a verdadeira Cascais. Se calhar não.

Acho que os anos tornaram-me mais...como é que o Passos Coelho disse? Picuinhas?

Pois, se calhar é isso. O que gosto, gosto verdadeiramente. O resto é um limbo. Sou esquisito com o tabaco que fumo, o whisky que bebo e a comida que como, entre muitas outras coisas.

A todos que adoram Cascais, os meus parabéns. É giro. A Boca do Inferno é gira, embora um elixir de vez em quando não lhe fizesse mal que o hálito já é um bocadito cavernoso...Mas hoje em dia, já não é a minha "praia"...As minhas paragens são mais simplistas e as paisagens menos siliconizadas...

2 comentários

Comentar este post